Quais são as tendências e alternativas de combustíveis para veículos comerciais e fora de estrada? O diesel continua como o protagonista, mas quais são e como estão os avanços das outras opções viáveis? Com o intuito de responder essas perguntas, executivos da CNH Industrial apresentaram projetos de inovação e os cenários futuros para os segmentos de atuação no 15º Fórum SAE Brasil, promovido nos dias 14 e 15 de agosto, em Curitiba (PR). Patrocinadora do evento, a empresa foi representada pela participação de quatro executivos, que contribuíram com as palestras e os debates. O evento reuniu engenheiros, especialistas, fabricantes e fornecedores da cadeia.

No primeiro dia do Fórum, o engenheiro de Projetos da FPT Industrial para a América Latina, Luiz Noronha, destacou os desafios e as oportunidades tecnológicas para a implementação da nova norma de emissões Euro 6, chamada de Proconve P8 no Brasil. “Nossas expectativas são menores emissões de óxidos de nitrogênio e melhorias no diagnóstico a bordo, o que inclui sensores de medição da qualidade da ureia no diesel”, disse.

Fabio Nicora, engenheiro responsável por Combustíveis Alternativos e Eletrificação de Veículos Leves da CNH Industrial

Luiz Noronha ministrou a palestra “Aplicação de veículos comerciais em condições de estrada – Euro 6: tendências tecnológicas para a realidade do mercado da América Latina”. No evento, ele destacou que quando há uma alteração na legislação e ocorre uma mudança de tecnologia é preciso sempre pensar no cliente. Ele também participou do painel “Integração do Veículo/Powertrain e diferentes aplicações (urbana, estrada e fora de estrada)”. O debate foi mediado pelo diretor de Desenvolvimento de Produto e Engenharia Agrícola da CNH Industrial para América Latina, Sergio Soares.

No segundo dia (15), no painel “Combustão, combustíveis e tecnologias para controle de emissões”, o engenheiro responsável por Combustíveis Alternativos e Eletrificação de Veículos Leves da CNH Industrial, Fabio Nicora, apresentou alternativas viáveis como gás natural veicular (GNV) e biometano. Segundo ele, em países da Europa essas tendências já fazem parte do mercado e não são mais nichos. “No Brasil, esse mercado poderia ser ainda maior. Temos muitas oportunidades aqui, matéria-prima disponível em quantidade e qualidade, produtos preparados e inovadores, mas falta infraestrutura logística e de abastecimento”, disse.

Durante a palestra “Combustíveis gasosos em aplicações comerciais e fora de estrada”, Nicora destacou o amplo portfólio de motores para essas utilizações e produtos em testes, com foco em controle e redução de emissões e poluentes. Além disso, reforçou as vantagens em comparação ao diesel. Além do GNV e biometano, ele citou o gás natural liquefeito (LNG), que possibilita uma capacidade e autonomia maior para caminhões que rodam longas distâncias.

Encerrando o evento e a participação da CNH Industrial, o gerente de Homologação, Métodos e Processos da CNH Industrial, Alessandro Silva, ressaltou a importância dos debates para o alinhamento do que virá junto com as tecnologias diesel e o que possivelmente será a substituição dos motores de combustão. Silva também participou como gerente do 15° Fórum SAE Brasil. “Nessa edição, assumimos o compromisso de oficializar essas tendências sem deixar para trás a importância que o nome diesel carrega”, avaliou.

Sobre a CNH Industrial

CNH Industrial N.V. (NYSE: CNHI /MI: CNHI) uma das líderes globais no setor de bens de capital com experiência industrial reconhecida, tem uma ampla gama de produtos e presença mundial. Cada uma das marcas individuais que pertencem à empresa é uma força internacional de destaque em seu setor específico: Case IH, New Holland Agriculture e Steyr para tratores e máquinas agrícolas; CASE Construction Equipment e New Holland Construction para equipamentos de movimentação de terra; IVECO para veículos comerciais; IVECO BUS e Heuliez Bus para ônibus urbanos e rodoviários; Iveco Astra para veículos de pedreira e construção; Magirus para veículos de combate a incêndio; Iveco Defence Vehicles para defesa e proteção civil; e FPT Industrial para motores e transmissões. Mais informações estão disponíveis no website da empresa: www.cnhindustrial.com


Share this article